“Estou no mesmo saco da Amy Winehouse”, afirma Paperboy

29 Out

Publico por aqui a entrevista que fiz por e-mail com o Eli “Paperboy” Reed, cantor americano de 24 anos apontado como uma das primeiras apostas da neosoul que não usa vestidos. Depois dos estouros de Amy Winehouse, Adele e Duffy (Reed abriu shows da loira), finalmente um garoto do gênero ganha destaque. Roll with you, disco de estréia lançado em abril, coleciona críticas positivas de publicações de respeito: Mojo, Billboard, Time Out NY, The New York Times, Boston Globe, Village Voice e The Boston Herald. Copiei do MySpace dele.

O que você está fazendo agora?
Nós estamos agora flanando pela costa oeste a caminho de San Francisco e então seguimos para Portland, Vancouver e aí voltamos para o leste.

Por que você nunca mais usa o tal chapéu de entregador de jornais? Já que foi ele que deu o seu apelido artístico… Você ainda guarda o chapéu do teu avô, que você costumava usar?
Eu meio que aposentei o chapéu. Ele passou por muitos bocados no decorrer dos anos e precisa de sérios reparos. Agora está pendurado na parede do meu quarto.

E você leu as críticas ao ‘Roll with you’? Você tem interesse em saber o que os jornalistas pensam sobre seu trabalho?
É sempre estimulante ler críticas objetivas do meu disco. Não tenho uma favorita, mas eu sempre aprecio análises bem fundamentadas. Sejam positivas ou negativas.

Você costumava ouvir os discos do seu pai, que era crítico musical. Como o trabalho dele afetou as músicas que você canta e compõe?
Ele era crítico, mas foi por pouco tempo. A coleção de discos dele e os conselhos de fato me ajudaram. Ele estava sempre por perto para discutir por quais motivos uma música era boa ou ruim.

Você tem simpatia pelas divas do neosoul como Duffy e Amy Winehouse? Você escuta os discos delas?
É bem legal ouvir novas músicas de artistas com influências interessantes. O que estou fazendo é bastante diferente do que o que elas fazem, mas está definitivamente no mesmo saco.

Quantos LPs você tem? E CDs? Quais o top 3 de discos preferidos da sua coleção?
Eu tenho mais ou menos mil LPs, 1500 CDs e por volta de 5 mil compactos. Não saberia escolher um top 3. O meu disco favorito, daqueles que eu sempre volto a escutar, é o do Sam Cooke ao vivo no Harlem Square Club. Tudo nele é perfeito.

Você já disse que nunca quis ganhar dinheiro e fazer sucesso por meio de um revival do soul. Você poderia explicar essa afirmação?
Eu quis dizer que sempre tentei fazer um som próprio e não pensar em tendências. Eu estaria fazendo esse tipo de música e escrevendo as mesmas canções independente do que estivesse nas paradas e na mídia.

Você também já falou que a música pop atual tende a ter muita ironia. Isso te incomoda?
Não que isso me incomode. O que tento fazer é evitá-la. Sempre tento ser honesto com a minha música e expor meus sentimentos de forma direta.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: