planeta terra (parte 2)

11 Nov

Que tal uma cobertura careta exclusiva para este blog quase diário sentimental?

Ainda que envoltos em clichês do rock alternativo blasé (Jesus and Mary Chain) e do indie pop de arena (Kaiser Chiefs), não é difícil afirmar que essas duas atrações levaram os títulos de melhores shows do Planeta Terra, que reuniu 15 mil pessoas na Villa dos Galpões sábado, em São Paulo. As bandas britânicas tocaram no palco principal de som mais acanhado do que o normal para um festival de rock.
 
A correta apresentação do JAMC, grupo escocês centrado nos irmãos Jim e William Reid, perdeu um pouco com a falta de fôlego das caixas de som, mas a performance é nada menos que fiel às versões de estúdio. Não há espaço para improvisos ou invencionices. O duo passeou por seus maiores hits, investindo pesado nos da década de 80 (Just like honey, Happy when it rains, Head on). A postura de palco da mesma forma não fugiu do esperado, com movimentação contida e pouca interação com a platéia. William não tirou os óculos escuros em momento algum e sequer levantava a cabeça para encarar o público. Do vocalista Jim, apenas se ouviu o anúncio da inédita Kennedy song, que deve estar no primeiro disco da banda desde o lançamento de Munki (1998).
 
O grupo inglês Kaiser Chiefs, o último a tocar, foi por outro caminho. Puxado pelo cinto e às vezes pela calça, o vocalista Ricky Wilson se esticou todo para estar o mais perto do público já na primeira canção, Everything is average nowadays. Wilson tinha uma lista com palavras em português, da qual lia uma expressão entre um hit e outro, como Ruby, Everyday I love you less and less e Na na na na naa – recebida com “na’s” escritos em cartazes empunhados por dezenas de fãs. Além dos vários “Somos Kaiser Chiefs”, o destaque foi “Ele é um herói”, referindo-se ao tecladista Nick Peanut, que teve uma crise de apendicite na sexta-feira e teve que ser operado. O músico se movimentava apenas por meio de uma cadeira de rodas e tinha acompanhamento médico no palco.
 
Com 20 anos de carreira, o grupo americano Breeders só empolgou o Indie Stage com faixas de seu disco de maior sucesso, Last splash (1993). Mas a empolgação em Cannonball e Divine hammer não compensou a morosidade das demais faixas. Para as irmãs Kim e Kelley Deal, o tempo parece ter pesado mais. Também dos Estados Unidos, o Spoon foi prejudicado pelo desfalque dos instrumentos de sopro e por problemas técnicos, mas colocou no bolso todas as bandas que se apresentaram no mesmo palco. Ao contrário das atrações que tiveram músicas de seus primeiros discos mais aplaudidas e cantadas, foram as faixas de Ga ga ga ga ga, lançado no ano passado, que mais funcionaram (principalmente os singles The underdog e You got yr. cherry bomb). O show coincidiu com o horário em que o Offspring tocou, eleito nas pesquisas do portal Terra como detentor do melhor show do festival. O pop punk, deslocado da linha roqueira alternativa do evento, mostrou ainda ter admiradores.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: